Enem 2016: Questões da atualidade que podem cair na prova

A prova do Enem é hoje uma das principais avaliações do país, tanto para qualificar a situação do ensino médio como também para ingresso dos estudantes a universidades públicas e privadas. É um exame exaustivo composto de 180 questões objetivas e uma redação, aplicadas em dois dias de prova.

Para este ano, são esperadas que mais de 8,6 milhões de estudantes compareçam nos locais de prova no final de semana dos dias 5 e 6 de novembro, e após alguns dias você poderá consultar o Gabarito do Enem.

Durante o ano, são especulados tudo que pode cair como conteúdo da prova, já que, ao contrário de alguns vestibulares, não é liberado um conteúdo programático do que pode conter na avaliação.

Acompanhar temas atuais abordados pela mídia pode ser a chave para responder diversas questões do exame, uma vez que diversas delas são montadas por problemas e situações da atualidade.

Situação política do país pode ficar de fora

O ano de 2016 está perto do fim e rolou muita água na política brasileira. Escândalos de corrupção e o segundo caso de impeachment forma predominantes na mídia, mas, esses acontecimentos que afetam tanto o país pode ser deixado de fora este ano.

Questões da atualidade que podem cair na prova

Isto porque não houve tempo hábil para a formulação de questões envolvendo a situação política atual, uma vez que o exame demora pelo menos um ano para ser elaborado.

Pode ser que caia algo relacionado ao tema, mas dificilmente o desenrolar processo de Impeachment estará nessa relação.

O que pode cair?

O cenário internacional deve prevalecer na prova, como é de costume aos anos anteriores. Mas o Brasil poderá ser lembrado por episódios recentes dos anos passados, como as manifestações de junho de 2013 e a tragédia ambiental em Mariana (MG).

Aliás, não se espante se está última opção for usada na proposta de redação. A tragédia de Mariana tem consequências bastante expressivas para alguns Estados do país, incluindo a própria Minas Gerais.

Com o rompimento da barragem e a quantidade de lama que se espalhou pela faixa litorânea da região, chegando até mesmo em alguns pontos do Espirito Santo, é de se esperar que este assunto seja bastante abordado na prova e por que não o cotar para a redação?

Estado Islâmico

As questões religiosas são sempre tratadas em vestibulares, seja num contexto histórico ou em casos de intolerância que são mais atuais. O que é quase certo é que o estado Islâmico faça parte do conteúdo do Enem 2016.

Essa versão ultraconservadora do islamismo tem avançado para territórios no Iraque e Síria, disseminando o terror através de violência. Além disso, o grupo está por traz de diversos ataques terroristas que ocorreram em diversos país, como a França.

Guerra na Síria

A revolta contra o regime de Bashar Al-Assad foi iniciada em 2011 e perdura até hoje, tendo se transformado em uma guerra que já abateu mais de 300 mil pessoas.

O conflito tornou o país um lugar inabitável, com metade da população se deslocando para outros países. Estima-se que mais de 4 milhões de sírios vivem em situação de refúgio, e alguns episódios envolvendo a fuga destas pessoas da guerra pode ser abordada no Enem 2016.

África e Boko Haram

Uma região africana conhecida como Bacia do Lado do Chace (composta por Nigéria, Camarões, Chade e Níger), teve mais de 2,2 milhões de pessoas que se deslocaram por conta da violência do grupo armado Boko Haram.

O grupo terrorista combate a influência ocidental no país, além de defender a implantação da lei islâmica conhecida como sharia. Eles promovem atentados e o sequestro de mulheres, as utilizando como moeda de troca para obter resgates.